segunda-feira, 6 de setembro de 2010

CAPITULO 4: NATALIDADE, MORTALIDADE E HISTÓRIA DE VIDA

PARTE 1 - ORGANISMOS
EXTRAIDO DE BEGON, TWONSEND E HARPER, 2007
RESUMO
Os ecólogos tentam descrever e explicar a distribuição e a abundancia dos organismos, os processos que modificam o tamanho populacional – natalidade, mortalidade e os movimentos de dispersão (emigração e imigração) – e os modos pelos quais estes processos demográficos são influenciados pelos fatores ambientais.
Nem todos os indivíduos são iguais, especialmente entre os modulares, em oposição aos organismos unitários. As formas de crescimento modular precisam ser descritas, assim como a natureza e importância ecológica de senescência e a integração fisiológica em organismos modulares. A ecologia necessariamente envolve contagem dos indivíduos ou de seus módulos. Uma população é um grupo de indivíduos de uma espécie, sendo que este conceito varia de estudo a estudo. É mais conveniente considerar a densidade do que o tamanho populacional. Os métodos de estimar o tamanho populacional ou a densidade são descritos brevemente.
Foi demonstrada uma variedade de padrões de ciclos de vida, incluindo a distinção entre espécies semélparas e iteróparas. Os métodos básicos de quantificação de tais padrões incluem tabelas de vida, curvas de sobrevivência e padrões de fecundidade. Para espécies anuais, podem ser construídas tabelas de vida de coorte, em que seus componentes são descritos. Um parâmetro que resume o padrão de fecundidade é a taxa reprodutiva liquida, R0. As curvas de sobrevivência que derivam de uma tabela de vida podem ser classificadas em três tipos básicos. Contudo, uma variedade de características, incluindo banco de sementes, indica que há muitas espécies que não são assim, ditas anuais.
Para indivíduos de momentos reprodutivos repetidos também é possível construir tabelas de vida de coorte; tabelas de vida estática são uma alternativa que deve ser utilizada com cautela.
Foi explicada como a taxa reprodutiva líquida, R0, o tempo de geração e a taxa de aumento populacional estão inter-relacionados quando as gerações se sobrepõem, levando à taxa líquida reprodutiva, R, e à taxa intrínseca de aumento populacional r (=lnR). Foi explicado, igualmente, como tais parâmetros podem ser estimados pelas tabelas de vida, projetando a população futura por meio de matrizes, um método mais eficaz de se analisar a fecundidade e a sobrevivência quando há sobreposição de gerações.
Foram descritos três diferentes tipos de perguntas a respeito da evolução das histórias de vida que ocorrem como freqüência. Muitas das respostas a essas perguntas tem sido baseadas na idéia de otimização. Os componentes das histórias de vida e seu significado ecológico foram também descritos: tamanho, taxa de desenvolvimento, semelparidade ou iteroparidade, número e tamanho de ninhada, e algumas medidas compostas – alocação reprodutiva e especialmente valor reprodutivo.
Os trade-offs são centrais para se entender a evolução da história de vida, embora sejam difíceis de observar na natureza. Os trade-offs mais importantes são aqueles que revelam um aparente “custo de reprodução” (CR) em termos de decréscimo no valor reprodutivo residual. Outro entre o número e o fitness individual da prole.
Para orientar a questão de há padrões ligando tipos específicos de historias de vida a tipos específicos de hábitats, são introduzidos os conceitos de conjuntos de opções e níveis de fitness, levando a uma classificação geral comparativa de hábitats. Então, revelou-se um padrão de alocação reprodutiva e do seu tempo de ocorrência, otimizando o tamanho e o numero da prole. O conceito de seleção r e K foram apresentados, com suas limitações e evidencias. Também foi explicado que os padrões na plasticidade fenotípica das historias de vida podem igualmente ser governados pela seleção natural.
Finalmente, foram discutidos os efeitos das restrições filogenéticas e alométricas na evolução das historias de vida – em especial o efeito do tamanho – concluído-se que ainda permanece um desafio relacionar as historias de vida com os hábitat no qual estas evoluem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário